Mobilização de combate à dengue vistoriou 28 mil domicílios no sábado (13)

As ações de combate à dengue realizadas pela Secretaria Municipal da Saúde (SMS) no último sábado (13) alcançaram quase 28 mil imóveis em diversas regiões do município. A mobilização, que atingiu mais de 61 mil pessoas, incluiu visita domiciliar em diversos bairros, nebulização (que compõem as ações de bloqueio de transmissão), busca ativa por criadouros do mosquito Aedes aegypti(transmissor da dengue e outras arboviroses) e orientação sobre cuidados preventivos.

Ao todo, 14 mil profissionais da saúde, incluindo agentes comunitários, de proteção ambiental e de controle de endemias, participaram das atividades, que seguem as diretrizes do Plano Municipal de Enfrentamento às Arboviroses (dengue, chikungunya, zika e febre amarela), lançado em novembro do ano passado. Desde então, 800 mil domicílios foram vistoriados por profissionais da saúde.

A prevenção é um dos pontos centrais do plano, com o desenvolvimento de ações de busca ativa associadas à orientação dos munícipes sobre a importância de manter a vigilância sobre possíveis criadouros do mosquito, mesmo em períodos de baixa incidência da dengue e outras arboviroses.

Até 9 de abril, foram confirmados 2.389 casos de dengue na capital paulista, o que representa coeficiente de incidência (CI) de 20,2 casos por 100 mil habitantes. O índice está abaixo da média nacional, que é de 110 casos por 100 habitantes, e do Estado, que é de 76 casos por 100 mil habitantes. Não foi registrado óbito por dengue em 2019. O município também não registrou nenhum caso autóctone de Chikungunya, Zika e febre amarela neste ano.

Além das atividades voltadas ao mosquito, a SMS manteve todas as Unidades Básicas de Saúde (UBS) abertas no sábado (13) para atualização da carteira vacinal, com foco em febre amarela e influenza. Foram aplicadas 5.663 doses contra a febre amarela e 54.332 de influenza em gestantes, puérperas (mulheres que deram a luz até 45 dias após o parto) e crianças de 6 meses até 5 anos, 11 meses e 29 dias de idade (público-alvo da primeira etapa da campanha contra gripe).

Como denunciar locais com criadouros de mosquitos:

A Prefeitura de São Paulo criou o canal 156 para comunicação entre o munícipe e a administração. Nesta central, o cidadão paulistano pode comunicar a existência de criadouros ou pelo site da Prefeitura, na página da Coordenação de Vigilância em Saúde (Covisa). Os registros são encaminhados às Coordenadorias de Saúde, que mobilizam as equipes com ações para eliminação dos focos do mosquito.

A denúncia também pode ser feita via internet, basta acessar o Portal de Atendimento da Prefeitura de São Paulo, selecionando na lista de assuntos a opção Saúde.

É importante frisar que a cooperação entre poder público e a população é fundamental para coibir a proliferação do mosquito vetor das arboviroses, especialmente neste momento, em que a incidência de chuvas tem favorecido a reprodução do Aedes aegypti.